terça-feira, 28 de setembro de 2021

Dino Escape

 

Um vulcão que estava na dele por muito tempo começa a entrar em erupção e o vale dos dinossauros vai ser logo invadido por lava acabando com quem estiver pelo caminho e você sendo um dinossauro malandro vai tentar ficar o mais longe possível da destruição.

Em Dino Escape, jogo criado pelo amigo Eduardo Andrade, você é um dos quatro dinossauros que estão prestes a serem atingidos pela lava do vulcão e a cada rodada você precisa fazer o seu caminho para longe da destruição ou atrapalhar o caminho dos seus "amiguinhos".

Cada jogador começa adjacente ao centro do vulcão e tem na sua mão dois tiles para decidir como colocá-los na sua rodada, se será colocado formando o seu caminho para longe da lava ou se para atrapalhar o caminho dos seus adversários.

O lance é criar seu caminho para mais
longe da boca do vulcão.

O lance aqui é que mesmo que você seja um dinossauro de bom coração a coisa pode ficar bem feia para você caso não coloque tiles nos outros porque você só consegue se mover ao colocá-los no caminho dos outros jogadores.

Então a rodada basicamente é essa, você escolhe um dos tiles da sua mão e coloca no seu caminho encerrando sua jogada ou coloca no caminho de algum adversário e pode se mover até dois espaços.

E quando ele entrar em erupção torcer para
estar bem longe dos tiles que serão destruídos.

Cada vez que entrar no jogo um tile com a marquinha do vulcão um token é adicionado para avisar que a erupção está perto de acontecer e ao atingir uma quantidade determinada pela quantidade de jogadores o vulcão fica ativo e começa a destruir tiles inicialmente adjacentes a ele e em erupções futuras à tiles já destruídos, se algum dinossauro estiver num tile atingido ele morre e o jogador é eliminado.

O jogo acaba quando só sobrar um jogador ou se ao final de todos os tiles terem sido colocado houver mais de um dinossauro o que estiver mais longe do vulcão é o vencedor.

Dino Escape é um jogo bem família com regras simples, muita pernada nos coleguinhas e que atende bem a um público mais novo no hobby, joguei a versão digital dele mas acredito que a TGM Editora vá fazer um trabalho bem legal para a sua versão final.

A versão final terá ainda cartinhas como o

PteroTáxi para tentar te livrar da morte.
 

quarta-feira, 22 de setembro de 2021

Peaky Blinders : Birmingham Domain


Baseada na série de sucesso Peaky Blinders, em Birmingham Domain os jogadores serão facções aumentando seus negócios escusos e sua área de atuação para ganhar mais influência entre todos os grupos rivais.

Criado pelo grande Marcos Macri o jogo trabalha exclusivamente com cartas, no setup inicial vamos preparar uma área de compra de territórios e negócios e uma área onde ficam os pubs, além disso cada jogador recebe uma carta de uma das facções do jogo, duas cartas de personagem e um objetivo secreto baseado na arrumação das suas cartas e o jogo está pronto para começar.

Na sua rodada o jogador terá direito a fazer duas ações principais dentre três possíveis mas também pode fazer duas ações livres.

Setup inicial com os territórios, negócios,
capangas e as cartas de personagens.

As ações mais importantes do jogo estão na expansão de territórios e na obtenção de negócios que darão lucro para a sua facção e essas são ações relativamente simples mas que precisam ser bem pensadas.

As cartas de território vem com alguns ícones que precisam ser observados, são ícones dos negócios disponíveis no jogo e se colocados lado a lado com cartas previamente postas no seu território fazem com que ele fique ativo e vá lhe render lucros quando você ativar o negócio referente a ele.

Para poder ter esse direito você também precisa comprar aquele negócio, de preferência escolher um que esteja crescendo mais no seu território para assim ter mais lucros.

Você vai montando seus domínios tentando
maximizar seus lucros.

Uma ideia bacana do Birmingham Domain é justamente essa arrumação dos territórios, que funcionam num esquema "tipo Carcassonne" com uma grande sacada, quando uma carta de território tem três dos seus quatro lados cobertos automaticamente você ganha um pub que vai lhe render mais dinheiro na hora de recolher seus lucros.

Mas estamos falando de um jogo de gangues então algum conflito haveria de acontecer. Aqui eles aparecem quando determinados gatilhos são disparados, quando um tipo de negócio acaba, ou uma das pilhas de território ou uma quantidade de pubs é comprada.

O jogador que dispara esse gatilho fica imune a guerra (afinal, foi ele que a causou) mas os outros jogadores terão até o final da rodada vigente para ou tentar disparar um outro gatilho e ficar imune ou então precisarão pagar o preço da guerra em dinheiro ou em capangas.

Para os fãs da série as cartas dos personagens
são um "plus" dentro do jogo.

Além disso temos as cartas de personagens que podem ser usadas para melhorar suas finanças, mas também para sabotar algum amiguinho que esteja crescendo muito no jogo e o legal é que aqui temos mecanismos que evitam que um mesmo jogador seja sabotado repetidamente (mesmo que as vezes a gente queira muito).

Quando todos os pubs forem comprados é disparado o final do jogo, que segue pela rodada vigente e mais uma para que os jogadores consigam ainda se preparar para a pontuação final baseada nos seus negócios, territórios, carta de objetivo e dinheiro e quem tiver o maior somatório é o vencedor.

Peaky Blinders : Birmingham Domain é o primeiro de dois jogos baseados na série que serão lançados pela Bucaneiros Jogos em breve e foram criações do Marcos Macri, esse aqui é bom demais, tem uma duração ótima, tá com uma arte lindona e tenho certeza que fará sucesso tanto entre os fãs da série quanto aqueles que não viram nenhum capítulo (eu só comecei a ver a série depois de jogar o jogo).

Com seus negócios já espalhados, é só ir
recebendo seus lucros ilícitos.

segunda-feira, 20 de setembro de 2021

GenCON in Portuguese - Edição 2021


Aconteceu entre os dias 16 e 19 de setembro a GenCON, que voltou a ser presencial depois de um ano sem público, mas a iniciativa da versão Online aconteceu novamente e com isso pelo segundo ano tivemos a GenCON in Portuguese capitaneada pelo pessoal da Business 2 Board.

Mais uma vez tivemos uma adesão enorme do pessoal que se prestou a fazer conteúdo para o evento, foram mais de 350 atividades entre palestras, apresentação de jogos, mesas de bate papo, RPG e muita coisa acontecendo para a galera acompanhar.

Mais uma vez o pessoal da Business 2 Board
fazendo um excelente trabalho.

A página da GenCON era tranquila de achar as atividades então foi fácil se programar para conseguir chegar aos eventos que você tivesse se inscrito, além disso você também podia passar por lá pra ver se no tempinho que você tinha disponível estava rolando alguma coisa e entrar pra participar.

Mesmo com um final de semana mais corrido eu consegui participar de algumas salas, tanto como participante quanto como espectador e ainda consegui testar pelo menos um dos jogos que estavam sendo apresentados pelas editoras, no caso o Dino Escape da TGM (vai ganhar resenha em breve).

A incansável Aline, do Turno Extra, com atividades
em todos os dias do evento.

Dentre todos que se prestaram a criar atividades para o evento gostaria de destacar o trabalho da Aline Costa do canal Turno Extra, ela estava incansável com várias palestras super interessantes além de fazer uma mesa de A Tripulação muito maneira.

Meu destaque absoluto vai para a palestra sobre Saúde Mental e Board Games apresentada pela Aline com a participação do grande André Zabuzeta (do BG News), da Nanda (do Joga Mana) e do Dr. Lucas Campos e que vale à pena ser vista e revista.

Mesmo eu tendo menos tempo que ano passado
deu para jogar alguma coisinha.

Das minhas eu participei de um bate papo sobre educação com o Jorge Luis "Joca" (autor do Sereias) e do professor Leandro Costa e falando sobre Design de Jogos para Eduação, além disso mais pro final do evento participei de um bate papo na twitch do AfterMatch sobre O Novo Normal das Jogatinas.

Mais um ano de GenCON in Portuguese e já dá pra cravar que é um evento que deve vir a ser recorrente e que aposto vai crescer ainda mais a cada ano tanto em quantidade de atividades quanto em qualidade de conteúdo, a galera que ajudou a fazer acontecer está de parabéns e quem esteve presente só fez abrilhantar ainda mais o evento.


Foi ótimo participar do painel sobre educação,

que aliás é um tema sempre super presente.
 

sexta-feira, 17 de setembro de 2021

Vampire : The Eternal Struggle - Quinta Edição


Fechando os lançamentos recentes da Conclave para a linha Vampire : The Eternal Struggle vamos falar agora dos decks da Quinta Edição que já vem baseados no novo cânone de World of Darkness.

Dando uma mexida nos clãs com a sumida de alguns e nova nomenclatura para outros o RPG Vampire : The Masquerade trouxe mudanças significativas para os vampiros e isso se refletiu em vários jogos e no V:TES não seria diferente.

Os primeiros cinco decks da nova linha trazem vampiros de grupo 6 e a diferença mais perceptível vem no clã Malkaviano que deixa a Demência de lado, uma disciplina que estava muito presente nos vampiros desse clã.

No geral as características de cada deck seguem muito o arquétipo que os jogadores mais antigos estão acostumados e cada um deles já vem prontinho para boas batalhas, vamos dar uma passada por cada um deles para vocês conhecerem melhor.

Os Malkavianos tem o deck mais conhecido e um dos mais fáceis de trabalhar, usando furtividade como forma de furar os bloqueios eles vem com ações pesadas de sangrar geralmente com modificadores para tirar o máximo possível.

O deck vem recheado de Governar os Desalinhados que é uma carta que serve tanto pra aumentar a ação de sangrar como para ajudar a levantar outros vampiros da cripta sem gastar o sangue do Matusalém.

O clássico deck de furtividade e sangrar dos Malkavianos.

O deck de Nosferatu é um dos mais fortes na hora da porrada com muitas cartas de percepção ele é um clássico baralho de barreira, onde você mais se defende e investe de forma certeira nos vampiros inimigos.

Com cartas novas como a Soco Giratório ele faz um bom mix com algumas cartas clássicas (e enjoadas) tipo a Jack Sorridente e Agarrão Imortal.

Os Nosferatu são aqueles que chamam pra porrada.

Os Tremere vem com um deck mais "faz tudo" abusando também das Governar os Desalinhados mas também usa equipamentos e tem como característica na hora do "vamos ver" usar a Roubo de Vitae para transformar o dano no inimigo em sangue para o seu Matusalém.

É um bom deck também para quem está começando pois usa várias mecânicas legais com as cartas de Dominação e também tem boa desenvoltura na hora da porrada.

O deck Tremere faz um pouco de tudo.

A política começa a aparecer no deck Toreador usando muito as Contestar Recursos de Rebanho, uma carta clássica que é sempre muito utilizada em decks assim.

Além disso a Língua Afiada do clã pode ajudar a fazer com que aquele adversário político se abstenha e as caras de furtividade ajudam na hora de abrir votação sem que precise ser "na marra".

Toreador com cartas que passam votações "na marra".

Finalmente os Ventrue vem com sua característica mais marcante que é a votação pesada e a facilidade de fazer muitas ações no mesmo turno usando sua Rapidez.

O lance aqui é usar os vampiros para tentar passar votações usar as tão desejadas Impulso Insano para desvirá-lo e agira novamente, quem sabe com um Cativar os Membros para dar uma sangrada nos adversários ou para subir vampiros mais novos.

Mas deck de votação mesmo é com os Ventrue.

Os cinco primeiros baralhos da Quinta Edição já estão entre nós e a Black Chantry já está anunciando as cartas para os próximos quatro decks trazendo mecânicas que vai deixar em evidência os clãs anarquistas dando ao jogo uma diversidade muito boa para quem está conhecendo agora ou para os jogadores que estão desde Jyhad acompanhando esse jogaço.

Os próximos decks da Quinta Edição, ainda sem
data pra chegar ao Brasil.
 

segunda-feira, 13 de setembro de 2021

Dia do Baralho


Em 2013 a Copag para eternizar esse que sempre foi seu carro chefe cria no Brasil o Dia do Baralho, que à partir de então é celebrado sempre no dia 13 de setembro, mas você tem ideia do porquê da celebração exatamente nesse dia?

A editora escolheu o dia 13/9 para fazer alusão ao seu produto mais famoso, o baralho 139.

Esse é o seu produto mais famoso e o mais antigo fabricado pela Copag estando em circulação desde 1923 chegando perto dos seus 100 anos de presença na vida dos brasileiros.

O mundialmente famoso baralho 139 da Copag.

Duvido que você já não tenha jogado um buraco, truco ou até mesmo tapão com um desses baralhos tão icônicos com seu coringa em formato de taça.

Apesar de ser uma empresa brasileira os baralhos 139 são presença nas mesas pelo mundo afora, sendo um dos preferidos nos cassinos e tendo sido escolhidos como baralho oficial para o World Poker Series de 2005 e 2006.

Corre lá nesse link da Copag e saiba como garantir
o seu abridor IRADO!

E esse ano a Copag preparou um presente especial para todos poderem comemorar em grande estilo o dia de hoje e nas suas jogatinas de sempre, corram no nesse link para saber como ganhar um abridor exclusivo IRADÍSSIMO!

Então é isso galera, pegue seu baralho ou seu jogo de cartas preferido e vamos lá comemorar o Dia do Baralho em grande estilo.

sexta-feira, 10 de setembro de 2021

Fornalha


Em Fornalha os jogadores serão empresários durante o século XIX disputando companhias para que elas lhe deem o maior lucro e no final você seja o mais rico entre todos.

O jogo é composto basicamente por cartas e as peças de recurso, durante o setup inicial colocamos cartas de companhia para serem leiloadas nas quatro rodadas do jogo e cada jogador vai receber uma companhia inicial e um capitalista com um poderzinho especial.

A cada rodada os jogadores vão ao leilão para tentar conseguir companhias para sua maquininha de dinheiro (pontos) e para isso dispõe de 4 fichas apenas e esse processo acaba sendo um dos leilões mais interessantes que eu já joguei ultimamente.

Você vai com as suas fichas para o leilão,
mas mesmo que você não consiga ganha recursos.

Na sua vez você coloca em uma das cartas uma das suas fichas e a seguir os outros jogadores também devem colocar as suas mas temos aqui algumas restrições, você nunca pode colocar uma ficha de valor igual a alguma previamente colocada e nem pode colocar uma ficha em um lugar onde você já tem fichas previamente colocadas.

Isso quer dizer que as fichas de 4 são imbatíveis, o que te garante sempre uma das companhias que estão sendo leiloadas, mas e as outras?

Aqui entra uma das paradas mais bacanas no Fornalha, as cartas de companhia além dos poderes que elas vão liberar para os jogadores que a adquirirem também apresenta no topo delas desenhos de recursos, quando você for perdedor de um leilão vai ganhar aquele recurso multiplicado pelo valor da sua ficha.

Você monta a sua maquininha para conseguir
o dinheiro necessário pra ser o vencedor.

Essa é uma forma imprescindível de conseguir recursos que talvez a sua maquininha ainda não esteja produzindo ou até mesmo consegui-los em quantidades boas "queimando" uma ficha de 3 por exemplo pra dar uma boa multiplicada.

Uma vez que o leilão acaba, recursos são distribuídos e você recebe a(s) sua(s) nova(s) companhia(s) começa a fase onde a sua maquininha de dinheiro entra em ação.

Cada jogador vai ativar todas as companhias que tem direito e aqui você tem uma funcionalidade na companhia inicial muito valiosa que é a capacidade de fazer upgrade nas outras que serão adquiridas via leilão e que ao serem "modernizadas" de abrem uma nova ação que pode ser ativada na mesma rodada inclusive caso ela seja utilizada depois da companhia inicial.

A companhia inicial é a única que te dá a
oportunidade de fazer upgrade nas outras.

Toda essa combinação tem como único propósito ganhar dinheiro, que não tem outra função dentro do jogo a não ser contar como pontos de vitória e ao final de apenas quatro rodadas quem tiver a maior quantidade do "vil metal" é o vencedor.

Fornalha é um jogo brilhante que me surpreendeu muito positivamente, ele entrega em uma partida de pouco mais de uma hora uma fase de leilão muito única para depois te dar uma brincadeira de como montar e executar a melhor maquininha de pontos e pra mim já pinta no TOP5 dos jogos de 2021.


Excelente jogo que chega ao mercado

pela Meeple BR Jogos.
 

quarta-feira, 8 de setembro de 2021

Savage


Os animais da floresta cansaram das ações do Homem e estão se reunindo em manadas para tomar de volta o que lhes foi tirado, mas o mundo animal também é competitivo e será que a sua manada será a responsável por trazer mais edificações para a natureza??

Com essa premissa chega ao mercado Savage, um jogo brazuca criado pelo Sandro Tomasetti e ilustrado pelo grande amigo Lucas Ribeiro e que a Ace Studios lança em parceria de distribuição com a Grok Games.

Cada jogador vai começar com uma mão de cinco cartas, nessas cartas temos vários animais de diferentes forças e habitats e que serão organizados em manadas durante o jogo para atacar os três espaços de humanidade que estão sempre abertos no centro da mesa.

Você vai juntando duas manadas para tentar
conquistar as cartas de humanidade.

Na sua rodada o jogador pode realizar até 3 ações dentre 6 possíveis que são comprar cartas, criar ou reforçar manadas, defender alguma carta já conquistada (na versão Combate do jogo), mover um animal entre as manadas, atacar uma carta de humanidade e/ou usar uma habilidade especial.

As manadas precisam ser fortes para conquistar os espaços de humanidade, então o lance é prepará-las bem e de preferência tentando unir animais de mesmo habitat pois isso lhe dará pontos extras ao enfrentar os espaços de humanidade.

Outro cuidado que os jogadores precisam tomar também é com as habilidades, você tem cartas com ações que precisam ser gastas para que seu texto aconteça, mas também tem habilidades que valem assim que o animal entra em jogo e outras que são instantâneas e servem para dar pernadas nos amiguinhos fazendo até com que eles possam perder batalhas e serem penalizados por isso.

Ao igualar ou superar o valor das cartas de
humanidade, você ganha o controle delas.

Mas o objetivo do jogo é principalmente pegar as cartas de humanidade e para atacá-las a sua manada precisa ter no mínimo dois animais, se depois da conferência de forças você estiver com valor igual ou superior você leva aquela carta para você, mas caso esteja perdendo (por alguma ação de outro coleguinha por exemplo) você perde o ataque e é obrigado a sacrificar um animal daquela manada.

Assim que o primeiro jogador conseguir conquistar três espaços de humanidade, todos os outros ainda tem direito a mais uma rodada e contam-se os pontos dos espaços e os bônus por ataques das manadas e quem tiver a maior pontuação leva.

Savage é um jogo com uma temática diferente e mecânicas que funcionam bem dentro do jogo, é rapidinho fácil de explicar e jogar e acho que roda bem tanto em mesas iniciantes como em mesas mais "cascudas" como filler.


Os animais tem forças e habilidades diferentes,

saiba como usar melhor essas combinações.
 

sexta-feira, 3 de setembro de 2021

Série Mazescape


Está chegando ao mercado a série Mazescape da Devir, são jogos solo que trazem em sua caixinha 7 labirintos que precisam ser percorridos tentando achar suas saídas além de desafios que são propostos ao jogador, mas o grande barato do jogo é como o labirinto funciona.

Cada um dos sete labirintos é uma folha dobrada várias vezes mostrando sempre o ponto de partida e o ponto de chegada, o jogador pega então seu guia e começa a avançar pelo caminho até que ele seja impedido de alguma forma, então é necessário abrir uma parte da folha para que novos caminhos sejam criados.

O lance é sair do ponto de partida até o final
sem tirar o guia do mapa (o peão não vem junto).

De forma muito inteligente e criativa o jogo propõe esse estudo de caminhos apenas com dobraduras no mapa fazendo com que você não tire o guia do papel mas fique sempre pensando no caminho correto para chegar ao final do mapa.

Mazescape propõe também desafios pelos mapas, como entregar coisas do ponto A no ponto B, ou chegando a determinados objetos ou como uma campanha, ao final do sétimo mapa se você tiver conseguido o isqueiro pode refazer todos os mapas acendendo suas lamparinas (na caixa Labýrinthos).

O jogo funciona bem como passatempo, conforme você vai abrindo novos mapas é nítida a percepção de aumento de dificuldade em encontrar os caminhos e você acaba sendo sempre desafiado.

Conforme vai desdobrando o mapa, novas
possibilidade vão se abrindo para você.

Confesso que eu como fã de labirintos isométricos fiquei bem viciado nesse passatempo e já fechei os primeiros 3 labirintos assim que recebi o jogo e espero aproveitar o fim de semana para zerar as duas caixinhas com seus desafios todos.

A Devir trouxe as duas caixinhas que foram lançadas lá fora, a Ariadne e a Labýrinthos e ambas tem a mesma pegada e o mais legal é que eles também disponibilizaram uma versão digital (clique aqui) para que você possa entender melhor como funciona o jogo.


Em cada caixinha novos desafios e novos

desdobramentos de labirintos.