quarta-feira, 18 de maio de 2022

Você Conhece o Diversão Offline?


Esse ano finalmente depois de dois anos sem evento teremos o Diversão Offline nos dias 18 e 19 junho em São Paulo no Pro Magno Centro de Eventos e apesar de em 2019 ter se consolidado como o maior evento dos jogos de tabuleiro nacional esse ano a organização terá um recomeço pós-pandêmico para se apresentar para um público novo e para trazer de volta quem se afastou das mesas nesses tempos sombrios.

Mas para você que chegou tanto no mundo dos tabuleiros quando aqui no blog nesses últimos dois anos e nunca nem ouviu falar do Diversão Offline vou tentar passar aqui em poucas linhas o que você pode esperar sobre o evento e porquê você tem que estar nele.

Criado em 2015 pelo pessoal da Geek Carioca, teve suas primeiras edições apenas no Rio de Janeiro, primeiro em apenas um dia mas logo sentindo a necessidade de dois dias para atender a demanda criada com estandes das editoras, mesas de protótipos e um dos seus grandes destaques que são as palestras.

Em 2015 a primeira edição com estandes pequenos mas já mostrando potencial.

Em 2018 chega a São Paulo e aí realmente a coisa explode de um jeito que nem o mais otimista dos tabuleiristas iria imaginar culminando na edição de 2019 com o total de mais de 5500 pessoas que passaram pelo Centro de Eventos São Luiz.

Nesses anos todos o Diversão Offline se consolidou como o principal evento de jogos de tabuleiro no Brasil mas quando todos achávamos que a coisas iria "para o alto e avante" chega a pandemia e sonhos foram desfeitos e a organização, que hoje é capitaneada pela GIGANTE Fernandinha Sereno, precisou se reinventar e com um esforço danado conseguiu fazer um Diversão Offline Day, evento online que matou a saudade de quem estava precisando se reencontrar com os amigos de mesa.

Em 2021 o jeito foi juntar todo mundo de forma remota para manter acesa a chama.

Para esse ano teremos novidades, para a sua já famosa área de protótipos quem vai capitanear os novos jogos que serão apresentados são as meninas da Liga de Mulheres Tabuleiristas que estão inclusive com um Catarse aberto (clique aqui para colaborar) para ajudar na confecção dos protótipo e já dar uma impulsionada nos projetos que serão apresentados.

Como sempre a área de palestras irá trazer temas relevantes e importantes não só para o hobby mas também para tudo que envolve a brincadeira de unir diversas pessoas em volta de uma mesa e fazer dessa experiência a mais positiva e acolhedora possível para todes.

Fernandinha sempre à frente do evento fazendo com que ele cresça sempre.

Uma vez mais as editoras estarão em peso no pavilhão contando inclusive com algumas grandes empresas debutando no evento e outras que já estão desde a primeira edição e sempre fazem bonito apresentando novidades que ficaram guardadinhas para serem mostradas com exclusividade no Diversão Offline.

Então tanto os antigos apreciadores dos jogos de tabuleiro quanto aos amigos que acabaram de chegar nesse maravilhoso mundo não dá pra perder a edição 2022 do Diversão Offline e para dar uma moralzinha nós do blog ainda vamos sortear dois pares de ingresso para o sábado dia 18 cliquem nesse link e saibam como conseguir.

Nos vemos por lá com cerveja!

Em 2019 mais de 5500 pessoas passaram no evento, bora juntos bater o recorde?
 

segunda-feira, 16 de maio de 2022

Prehistory


Em Prehistory os jogadores são antigas tribos pré-históricas que lutam para conseguir recursos necessários para sua sobrevivência, tentam descobrir novas áreas para sua tribo e ainda registram isso em pinturas que serão apreciadas milênios depois.

A mesa do jogo é formado por um grande hexágono que serve como tabuleiro central e é onde são dispostos os discos de ações dos jogadores, temos também um mapa com hexágonos menores que são as áreas onde as tribos vão se expandir para construir novos acampamentos e além disso cada jogador terá um tabuleiro individual para armazenar recursos.

O tabuleiro central com os diversos mini rondeis de ações.

O jogo se passa em exatamente 5 rodadas e em cada uma delas temos as fases que representam as estações do ano para realizarmos ações.

Prehistory tem uma utilização muito bacana dos cubos, que podem ser usados como recursos e também como cubos de ação dependendo da estão do ano, então você precisa ficar sempre ligado para saber o momento em que você quer usar seus ganhos.

Outro grande barato do jogo são os seus diversos rondeis de ação, temos o rondel central que é substituído a cada inverno, o rondel do tabuleiro pessoal que é usado para conseguir cubos de recurso na primavera e diversos outros espaços de ação que vão te permitir colher, caçar, pescar, fazer a pintura, andar com membros da tribo e fazer rituais.

Você vai descobrindo novos lugares para levar sua tribo no mapa de expansão.

Mas tudo é usado para que os jogadores vão conseguindo pontos, e ao final das 5 rodadas do jogo vamos somar os pontos ganhos durante a partida a pontos que virão de cartinhas, set collection de marcadores de coleta, linhas completas no desenho rupestre e pontos de desenvolvimento não gastos e quem tiver o maior somatório é o vencedor.

Eu conheci o Prehistory quando estava sendo apresentado no Diversão Offline de 2019, mas só consegui finalmente jogar uma partida agora e me arrependi de não ter jogado antes, é um jogo com umas sacadas muito boas de utilização de mecânicas, conseguem amarrar bem o tema que não fica só jogado ali, tem uma duração bastante boa para um euro médio e é daqueles jogos que você termina a partida já querendo jogar outras vezes.


No tabuleiro individual vamos guardando as nossas conquistas.
 

segunda-feira, 9 de maio de 2022

Praga Caput Regni


Em Praga Caput Regni somos ricos cidadãos empenhados em ajudar ao Rei Carlos nas diversas construções da cidade de Praga, quanto maior a sua contribuição, maiores são as chances de impressionar o Rei e assim ser o cidadão mais prestigiado.

Composto principalmente por um gigante tabuleiro que vai ao centro da mesa, lá vamos encontrar praticamente todos os desdobramentos das seis ações possíveis do jogo além do rondel de onde tiramos as peças de ação.

Além disso cada jogador tem o seu tabuleiro pessoal e um tabuleiro de ação que são onde marcamos a nossa produção, onde melhoramos as nossas ações e construiremos os muros que darão alguns benefícios durante a partida e pontos ao final do jogo.

O estiloso e inteligente rondel de ações do Praga.

Apesar de visualmente parecer assustador numa primeira impressão, as regras básicas do Praga são super simples, na sua rodada você escolhe no rondel uma das fichas de ação que tem dois ícones desenhados, realiza uma daquelas ações, ganha o benefício do espaço de onde você tirou a ficha e ao final do seu turno recoloca essa ficha no rondel girando ele.

As ações vão te dar a oportunidade de melhorar ou recolher recursos (pedras ou ouro), construir partes do seu muro e prédios na cidade, andar na ponte e comprar fichas para melhoras suas ações posteriores.

Mas vindo de uma escola de euros mais enxutos, o autor Vladmir Suchý (que também assina ótimos jogos como Shipyard e Cidades Submersas) entrega aqui um jogo onde você tem poucas ações disponíveis mas uma possibilidade gigante de formas de pontuar e vai sempre querer fazer mais do que pode e as vezes ter uma ação que você nem quer tanto naquela hora mas te dando recompensas boas o suficiente para fazer você pegá-la.

O tabuleiro pode visualmente assustar, mas ele não é difícil de entender.

O jogo segue rodada à rodada até que termina e são contados pontos baseados na construção dos muros, praças não fechadas, pontos da academia, seu posicionamento na muralha da fome e na catedral e quantidade de ovos não usados e quem tiver a maior pontuação é o vencedor.

Aqui vale um adendo histórico divertido, um dos recursos do jogo são ovos pois existem relatos de que o Rei Carlos solicitou carroças e mais carroças de ovos para que fossem usados na argamassa da ponte que liga os dois lados do Rio Moldava.

Eu sou fã do autor, ainda não joguei nada dele que me desagradasse, aliás, não joguei nada dele que não tenha me surpreendido de alguma forma, e o Praga não fica fora dessa lista e no momento (ainda estamos em maio) é sério candidato a melhor jogo (jogado) em 2022.

O tabuleiro individual também tem seu charme (e suas engrenagens).
 

sexta-feira, 6 de maio de 2022

Palm Island


Em Palm Island você está responsável pelo desenvolvimento da sua aldeia e pra isso precisa melhorar sua pesca, suas habitações, retirar recursos das pedreiras e construir templos, mas corra que você não tem a vida toda para fazer isso tudo.

Utilizando um baralhinho de apenas 17 cartas, aqui temos um mecanismo muito inteligente de utilização das cartas para fazer o jogo rodar.

Cada carta tem 4 "lados" com informação, você começa com todas em um modo básico de utilização e conforme vão passando as rodadas vai melhorando as condições dela rotacionado e virando as cartas.

Você sempre pode usar as ações das duas primeiras cartas.

Grande parte delas vão te dar recursos, algumas de graça outras mediante a utilização de recursos já guardados e aqui temos um grande barato do jogo, você pode usar as ações sempre das primeiras duas cartas podendo armazenar, girar ou virar.

Para armazenar os recursos você simplesmente gira a carta desejada 180º e coloca ela no fundo do baralho e precisando usar aqueles recursos volta com ela para a posição normal, mas tenha cuidado pois você não tem "troco" na utilização dos recursos e se não usar a carta até ela aparecer novamente na frente do baralho você perde o que estava guardado.

Uma carta marca o final do turno, você tem apenas 8 para fazer o máximo de coisas.

O lance aqui é tentar otimizar a produção nas primeiras rodadas para depois ir construindo os templos que darão as maiores pontuações ao final das 8 rodadas, onde vamos contar todas as cartas que tem pontos e verificar na tabelinha do manual o seu desempenho.

Palm Island é um jogo solo que você pode jogar praticamente em qualquer lugar, mas a versão que a Paper Games trouxe para o mercado tem ainda uma versão para 2 jogadores se confrontarem a também as façanhas e os aldeões.

Essa caixinha é certamente um dos melhores custo/benefício do mercado em matéria de desafio e diversão para você que gosta de tentar melhorar seus próprios recordes a cada partida, e acredite, Palm Island vai te desafiar legal.


Você pode guardar até 4 cartas de recursos e quem sabe conseguir construir os valiosos templos.
 

segunda-feira, 2 de maio de 2022

Founders of Teotihuacan


Em Founders of Teotihuacan os jogadores competem tentando criar o melhor projeto de cidade, para isso vão construir edifícios e templos além é claro da mais imponentes pirâmide para ser adorada sempre sob o vigilante olhar do seu arquiteto.

Um tabuleiro com as peças "tipo tétris", peças de pirâmide e também os espaços de ação é colocado ao centro da mesa, cada jogador recebe o seu tabuleiro individual que representa a sua cidade e os marcadores de ação, também posiciona seu arquiteto em um dos quatro lados do seu tabuleiro.

Um turno do jogo é relativamente bem simples, você pode colocar discos de ação no tabuleiro central ou passar. Cada espaço de ação pode receber até 4 discos e você escolhe quantos dos seus vai alocar ali.

No tabuleiro centra temos as peças e as ações que usamos durante a partida.

Existem dois tipos básicos de ação, a de construção (parte superior do tabuleiro central) ou a de influência (parte inferior), usando mais discos na hora da alocação você potencializa a ação de construção mas isso não faz diferença na ação de influência, então você consegue ter uma programação interessante durante a partida.

Um dos grandes baratos do Founders of Teotihuacan é na hora das ações de construção, como falamos anteriormente o arquiteto é uma figura chave no jogo pois o tabuleiro dos jogadores é segmentado em 4 áreas, a cada rodada o seu arquiteto consegue "enxergar" apenas duas dessas áreas e você só vai poder agir aonde ele consegue ver.

Os recursos ficam em volta dos prédios, dando uma "atrapalhada" na hora construção.

Isso é uma sacada interessante pois te dá uma limitação ao mesmo tempo que coloca um elemento de planejamento muito bacana pois você precisa além de pensar no posicionamento dos prédios em qual momento você vai construí-lo aproveitando a localização do arquiteto.

E por que disso tudo? Bem, os prédios de produção são isso mesmo, servem para recursos, mas temos os templos e as peças das pirâmides referentes aos deuses da mesma cor deles, então uma das grandes pontuações do jogo é essa combinação de templos e pirâmides nos mesmos quadrantes e como as peças são limitadas a cada ciclo do jogo você as vezes tem que esperar seu arquiteto andar mais um pouco, mas corre o risco de perder o prédio.

Ao final de três ou quatro rodadas (dependendo da quantidade de jogadores) temos a pontuação baseada nos quadrantes e em algumas peças de oferendas que você pega durante a partida e quem tiver a maior pontuação é o vencedor.

No meio vamos construindo a pirâmide tentando colocar a cor do deus certo na área do templo equivalente.

Founders of Teotihuacan é um jogo de cobertor super curto, você tem poucos discos de ação e quer fazer muitas coisas mas não consegue, é um jogo muito inteligente em que aproveitar alguma deixa de outro jogador ou o momento certo de colocar uma peça pra potencializar seu turno é primordial.

Gostei muito dele que está chegando em breve em uma parceria entre a Bucaneiros Jogos e a Meeple BR e apesar da semelhança de nomes com o Teotihuacan são jogos completamente distintos e esse com certeza vai agradar aos fãs de bons euros "queima mufa".

Joguei a versão digital, mas não vejo a hora de receber o jogo "de verdade". Foto BGG.
 

segunda-feira, 25 de abril de 2022

Libertalia : Os Ventos de Galecrast


Em Libertalia : Os Ventos de Galecrest os jogadores são capitães de navios piratas em busca das melhores pilhagens e apesar de todos terem a mesma tripulação saber usar a habilidade dos seus piratas no momento certo podem lhe rendem maiores lucros.

O jogo usa um baralho com 40 personagens e em um mapa central marcamos os dias das viagens e onde colocamos os marcadores de espólio que serão conseguidos durante a partida.

Um dos jogadores fica responsável por embaralhar e definir quais tripulantes serão usado em cada um dos três dias de viagem, sorteando assim seis cartas e dizendo aos outros jogadores quais piratas fazem parte da sua tripulação.

A tripulação dos navios é igual, mas o momento de usar as cartas vai de cada capitão.

Cada dia de viagem tem uma quantidade de dias (turnos) a serem jogados, então no início de um dos dias de viagem todos os jogadores escolhem secretamente um dos seus tripulantes e quando todos tiverem feito isso os piratas são revelados e colocados no tabuleiro para seus efeitos serem resolvidos.

Aqui começa a grande sacada em Libertalia, apesar de todos terem os mesmos piratas você vai analisar bem como pretende usá-los pois cada uma das 40 cartas tem habilidades diferentes, algumas combam com outras e algumas vão funcionar em momentos chave da partida.

A resolução das cartas é resolvida em três momentos, na manhã geralmente acontecem a maioria dos efeitos e eles vão mexer bastante com o fluxo do jogo, ao anoitecer é quando os piratas (que ainda estiverem em jogo) vão recolher fichas de espólio e voltar para o navio e na noite as cartas que tiverem algum efeito serão resolvidas.

A cada dia de viagem, uma disputa acirrada pelo espólio da vigem.

Ao final da quantidade de dias daquela viagem (4, 5 ou 6 dependendo da rodada) são resolvidos efeitos das âncoras, todo o dinheiros conseguido é salvo nos baús e marcadores de espólio e piratas usados são descartados para uma nova viagem, ao final da terceira quem tiver mais dinheiro em seus cofres é o vencedor.

Libertalia é uma reimplementação de um jogo de 2012 (com o mesmo nome) mas aqui a equipe do James Stegmaier deu um boost interessante colocando mais personagens, criando a trilha de reputação que resolve os desempates e dá umas moedinhas, as fichas de espólio que agora tem efeitos e o automa, uma coisa que acompanha todos os jogos da Stonemaier Games além é claro do ganho visual e de componentes.

Ele é um jogo que quanto mais vezes você jogar, mais rápida serão as partidas, funciona bem em até seis jogadores e tem umas pernadas bem divertidas entre os jogadores, ele tá ali naquela categoria de jogos leves para se jogar enquanto rola a pizza e a cervejinha com os amigos.

A trilha de reputação, umas das adições feitas para essa nova edição do Libertalia.
 

segunda-feira, 18 de abril de 2022

Unmatched : Battle of Legends


A proposta em Unmatched : Battle of Legends é trazer personagens da fantasia para batalhas épicas, nessa primeira caixa temos a Medusa, o Rei Arthur, a Alice e o Sinbad lutando francamente para decidir quem o melhor na trocação de tapas.

Cada personagem tem um deck único de 30 cartas e alguns poderes especiais diferentes além de "sidekicks" que ajudam (e podem servir de escudo) na hora da pancadaria.

O jogo tem regras super simples, temos um tabuleiro/arena dividido em zonas onde os personagens vão lutar, cada jogador escolhe seu personagem e pega tudo referente a ele, compra 5 cartas do seu deck e estão prontos para a brincadeira.

Aqui não tem tempo pra bate papo, é trocação de porrada o tempo todo.

Na sua rodada você tem deve fazer duas ações entre três possíveis que são se movimentar, usar cartas de esquema ou atacar os seus adversários.

A ação de movimentação é a única que te dá direito a comprar cartas, mas há aqui um perigo pois como o deck não é muito grande, ficar comprando cartas pode fazer com que ele rode muito rápido e caso você precise comprar uma carta e não tenha, você perde o jogo automaticamente.

As cartas de esquema são os poderes "pokémon" que vão te ajudar com efeitos que mudam as características da batalha e geralmente dão uma prejudicada nos adversários.

Cada personagem tem seu próprio deck com combinhos e efeitos exclusivos.

O combate no jogo também é super tranquilo de aprender, o atacando escolhe uma das cartas da mão o defensor pode ou não escolher uma para se defender, comparam-se os valores e se o atacando superar o defensor causa aquela diferença em dano, no momento em que o personagem principal do adversário morre o sobrevivente é o vencedor (na partida em dupla precisam os dois adversários irem pra cova).

Nessa primeira caixa notamos um desequilíbrio em relação a Medusa que é muito mais poderosa comparativamente com os outros, o Rei Arthur também é bom de porrada, já a Alice tem o efeito de crescer e diminuir e tem o sidekick mais forte enquanto o Sinbad é o melhor na movimentação.

Unmatched : Battle of Legends é divertido com porradaria franca sem muita firula, um jogo de skirmish bem feitinho e produção caprichada com regras que se aprendem em cinco minutos, ele está vindo via Catarse pela Buró Editora que se tiver o sucesso esperado deve trazer os diversos outros personagens que já saíram lá fora.


O mapa/arena não tem muito espaço pra você ficar se escondendo não.
 

quinta-feira, 7 de abril de 2022

Fuga do Zoo


Fuga do Zoo é um jogo 2 em 1 recém lançado pela Adoleta Jogos onde os jogadores escolhem entre salvar os bichinhos do seu cercadinho no zoológico ou com eles já em liberdade participe de uma incrível corrida para saber qual o melhor piloto entre os animais.

O jogo onde precisamos salvar os bichinhos é cooperativo e indicado para crianças à partir de 4 anos, nele usamos o tabuleiro com o celeiro e o caminho que vai levar o tratador até lá, a quantidade de casas (rodadas) que ele vai andar é definida pela quantidade de jogadores assim como a quantidade de bichinhos que precisamos salvar.

No jogo vamos usar cartas para combinarmos frente e traseira dos bichinhos, quanto mais combinações você conseguir com as três cartas disponíveis para rodada, mais bichinhos você vai salvar antes que o tratador chegue ao cercadinho.

Na partida cooperativa, precisamos salvar os bichinhos antes da chegada do tratador.

Uma vez que todos os jogadores fazem suas combinações e os bichinhos são salvos, o tratador avança uma casa, então novas três cartas são distribuídas e uma nova rodada começa até que todos os bichinhos sejam salvos (os jogadores ganham) ou o tratador chegue ao cercadinho e evite a fuga de quem ainda estiver lá (os jogadores perdem).

Já o jogo da corrida é competitivo e indicado para crianças à partir dos 6 anos e aqui usamos o lado do tabuleiro com a pista de corrida e as pecinhas com os bichinhos guiando seus potentes carrinhos.

Tudo no jogo é resolvido através da combinação de duas partes dos bichinhos nas cartas.

Diferente do primeiro jogo aqui os jogadores irão escolher um dos 5 bichinhos para fazer com que ele vença a corrida, usando 4 cartas para fazer as combinações você precisa ficar ligado para montar o seu escolhido para conseguir andar mais casas.

Para cada combinação do bichinho que você escolheu você avança duas casas na pista (e ganha uma coroa) enquanto para cada combinação de outros animais você consegue mais uma casa e o carrinho que chegar primeiro no final é o vencedor (as coroas são desempate).

Fuga do Zoo é um joguinho bem legal para dar pra mulecada mais novinha, a produção é super caprichada e o fato de ter duas formas diferentes de jogar na mesma caixinha realmente é um atrativo à mais e fica sendo uma ótima opção de presente. 

No segundo jogo, a corrida é acirrada entre os bichinhos.
 

terça-feira, 5 de abril de 2022

Blue Lagoon


No recém lançado Blue Lagoon, os jogadores precisam com seus colonizadores explorar as ilhas do arquipélago Polinésio e além de fundar aldeias ainda disputam recursos e maioria territorial nesse jogo de controle de área do mestre Reiner Knizia.

O tabuleiro central mostra o arquipélago formado por oito ilhas, cada jogador receberá uma quantidade de fichas de colonizadores baseada no número de participantes além das cinco aldeias.

As regras do Blue Lagoon são extremamente simples, ele é jogado em duas fases distintas (exploração e povoamento) e na sua vez de jogar você deve colocar no tabuleiro uma ficha de colonizador (com o lado de barco ou do homenzinho) ou uma aldeia sempre adjacente a alguma peça previamente colocada no jogo.

Você usa suas fichas para explorar as ilhas do arquipélago e pegar recursos.

Sempre que colocar qualquer peça em um espaço que tenha um dos recursos do jogo você pega ele que servirá para uma pontuação ao final de cada uma das duas fases da partida.

Na primeira fase você acaba posicionando tanto fichas quanto aldeias, já na segunda fase as aldeias ficam no tabuleiro e a colocação das fichas é à partir delas, o que pode dar uma mudada no panorama do jogo e no posicionamento das suas peças em relação aos adversários. 

As fases terminam de duas formas, quando os recursos forem todos pegos ou quando todos os colonizadores e aldeias forem colocados no tabuleiro (só os colonizadores na segunda fase).

Na segunda fase do jogo, já com as aldeias todas no tabuleiro você precisa repensar seu posicionamento.

Uma vez disparada o final da fase os jogadores vão ganhar pontos pelos recursos, presença nas ilhas (quem cobriu mais território) e também pela maioria nas ilhas.

O barato do Blue Lagoon é essa corridinha pelos recursos e conseguir com suas fichas e aldeias cobrir a maior quantidade de território se possível dando pernada nos amiguinhos.

Eu achei o jogo bem simples, acho que funciona bem com a mulecada e jogadores casuais a produção tá super caprichada e se você tá começando agora nos tabuleiros modernos ou quer apresentar jogos para quem tem pouca bagagem pode ser uma pedida legal.

quinta-feira, 31 de março de 2022

DP6


Durante a Guerra Fria governos dos EUA e URSS travavam uma luta incessante para ver quem era superior, essa disputa chegou aos oceanos quando os Estados Unidos conseguiram ir a mais de 10k de profundidade com sua cápsula Challenger Deep, os Russos então enviam a DP6 para bater esse recorde, só não imaginavam encontrar companhia numa profundidade tão grande do oceano!

Nesse jogo criando pelo Nordan Manz, estamos à bordo da DP6 que começa a ser atacada por uma aberração, todos os seus tripulantes precisam chegar à salvo no módulo de fuga antes que ele seja ejetada.

Cada jogador vai receber 5 cartas com salas da DP6 que levam seus tripulantes até o módulo de fuga, uma vez embaralhados você cria um caminho e coloca portas numeradas de 1 a 5 entre as salas, dois dos seus tripulantes estão disponíveis e outros dois estão ainda adormecidos.

Você vai desbravando cada sala tentando chegar ao módulo de fuga.

O jogo funciona em uma série de turnos onde os jogadores tem direito a três ações e podem usar para mover seus tripulantes, destravar as portas ou interagir com as peculiaridades da sala.

Ao se mover para uma sala que ainda não foi aberta você ativa ela, como falamos anteriormente são 5 salas, umas tem marcadores que vão te ajudar na rolagem dos dados, tem a sala de criogenia com os outros dois tripulantes, uma sala alagada que dificulta a movimentação e a sala que libera a aberração.

Uma vez que a aberração entra no jogo ela se move sempre ao final da ação do jogador, tendo direito a duas ações entre andar e comer!

As portas todas começam fechadas, mas com a ação de destravar você rola um dado e o número que sair vai abrir (ou fechar) aquela porta, o divertido aqui é que ela vai destravar as portas da DP6 inteira, inclusive no caminho dos outros jogadores.

Mas quando a aberração desperta é melhor correr para salvar sua vida.

Então nessa brincadeira você pode se ajudar na movimentação ou dificultar a chegada dos outros tripulantes até o módulo de fuga.

Falando do módulo, sempre que algum jogador tira 6 no dado, um contador é acionado, ao chegar no 0 quem estiver no módulo de fuga consegue se livrar do terrível fim com a aberração e quem conseguir o maior número de tripulantes salvos é o vencedor.

Eu tinha jogado DP6 em 2017 e algumas coisinhas mudaram de lá pra cá, primeiro que ele era um jogo para 2 apenas e agora comporta até 4 jogadores, eu confesso que com 2 o jogo é mais controlável e você consegue marcar mais as portas dos amiguinhos outra diferença é que antes a arte também era feita pelo designer do jogo e eu confesso que curtia mais (vocês podem conferir aqui), mas a Buró fez um trabalho muito bacana e entrega um jogo levinho muito bem produzido.

No final apenas que conseguiu entrar no módulo à tempo vai se salvar!