sexta-feira, 30 de março de 2018

Gaslands


Imaginem um jogo em mundo pós-apocalíptico estilo Mad Max com corridas mortais entre escuderias patrocinadas por pessoas loucas e sedentas por sangue e gasolina.

Agora imaginem que esse jogo tem mecânicas simples, super similares ao X-Wing : Miniature Game só que com a vantagem de que os veículos e upgrades e até mesmo as réguas de medição podem ser impressas na sua casa e que você só precisa de uma área de jogo e carrinhos hot wheels... bem, assim é Gaslands.

Criado por Mike Hutchinson, no jogo somos essas escuderias que disputamos corridas, lutamos até a morte contra outros carrinhos entre outras formas de jogo, mas basicamente, são times que disputam entre si quem tem a melhor equipe.

 No começo, nada de violência, mas isso não dura muito.

As regras, apesar de terem um livreto de mais de 60 páginas, são relativamente simples. Cada rodada passa por cada marcha do carro, desde a 1º até a 6º, em cada uma delas temos 3 etapas distintas para cada carrinho ativado : a fase de movimento, a fase de ataque e a fase de "wipeout".

Na fase de movimento, você ativa um dos seus carrinhos da marcha corrente, escolhe uma das réguas que funcionem para aquela marcha, decide se rola os dados de especiais do jogo, resolve o que tem que resolver na rolagem e leva o seu carrinho ao final da régua.

Os dados especiais tem 4 faces distintas, 3 que fazem com que você mude marchas ou possa retirar danos e efeitos, 1 face com o símbolo de perigo, 1 com o "cavalinho de pau" e 1 com uma escorregadinha.

 Os dados especiais você já consegue encontrar na Game Maker.

A quantidade de dados que você pode rolar, depende exclusivamente do seu carro, e você pode querer ou não fazer essa checagem, mas as vezes é a única forma de passar uma marcha ou tirar danos em excesso do seu carro.

As réguas são muito bacanas, temos linhas retas, curvas fechadas e zigue-zagues, e a velocidade com que o seu carro está é extremamente importante para saber se você vai usar a régua de uma forma que te dê vantagem ou te penalize de alguma forma.

 Aquela escorregada proposital para se posicionar melhor.

Fora que tem réguas que você só consegue usar com marchas altas ou baixas, e que se você não tiver essa sacada pode estar comprometendo a forma como seu carrinho vai entrar nos portões ou se ele vai conseguir evitar uma colisão ou não.

Passada a fase de movimento, temos os ataques, e cada carrinho tem uma quantidade de tripulantes armados e perigosos que vão fazer de tudo para detonar os adversários.

O bacana do sistema de combate do Gaslands é que ele é muito simples, você vai verificar quantos D6 precisa rolar de acordo com a sua arma, para valores 4+ você consegue um hit (6+ é um acerto crítico e tira 2 hits), o jogador se defende jogando a quantidade de D6's igual a marcha em que ele está, só que ao contrário dos acertos, as defesas só funcionam com 6+. Simples e eficiente.

Por último a fase de wipeout.

 Aprovado pelo piloto mais novo aqui de casa.

Cada carrinho aguenta até 6 marcadores de perigo, a cada vez que subimos ou descemos uma marcha, usamos uma régua no limite ou rolamos a face de perigo no dado, vamos acumulando esses marcadores, se na fase de wipeout o carrinho ativado tiver 6 ou mais marcadores ele vai fazer uma checagem de "flip", se passar, vida que segue, se falhar ele roda pela pista, o jogador adversário escolhe a orientação que ele vai ficar e volta pra 1ª marcha.

Depois dessas três fase, começamos tudo de novo com a próxima marcha e o jogo segue assim até que um dos objetivos (seja destruir amiguinhos, ganhar votos da audiência ou cruzar a linha final) seja alcançado.

Gaslands é uma daquelas ideias brilhantes, aposto que o autor tem filhos que tinham MILHÕES de carrinhos de bobeira e tirar uma sacada dessas era muito boa para fazer com que ele desse uma utilidade para eles, e ainda pusesse pra fora aquele lado "Mister Maker" para pode customizar os bichinhos para que eles ficassem iguais aos carrinhos do Mad Max.

 Poucas informações e tudo se resolve no jogo.

E a grande sacada é que pra isso ele vende o PDF do manual (atulamente só em inglês, mas já tem editora brazuca querendo trazer ele pra cá), e todo o resto fica por conta da imaginação e da mão de obra de comunidades (como a Gaslands Brasil) ou de empresas afim de trazer kits dos dados, mats e réguas (como a Game Maker) e para isso ele só pede em troca que as pessoas participem do Patreon deles, o Friend of Gaslands.

Enfim, se você curte X-Wing, Mad Max e tem um monte de carrinhos em casa (ou ainda não tem mas agora vai acabar comprando), esse jogo é para você e para toda sua família (meu filho se amarrou pra caramba e virou fã do jogo).

E que vença o melhor (nesse caso, não fui eu).

Um comentário:

Unknown disse...

Bela resenha, man! Que esse jogo tenha vindo pra ficar!