sexta-feira, 16 de março de 2018

Diversão Offline SP : Os Jogos


Para fechar a nossa cobertura do Diversão Offline de São Paulo, vamos falar deles que são o motivo de estarmos nos reunindo com amigos por horas em volta das mesas pelo país... os jogos.

Mas não vou falar de jogos dos Eric Lang's ou Kramer's da vida, vou falar dos Sandersons e Thiagos e das Samantas e Biancas, vou falar dos autores brasileiros e seus lançamentos atuais e o que vem por aí chamando atenção.

Confesso que nos dois dias do evento eu joguei muito menos do que gostaria, mas isso não quer dizer que eu não prestei atenção no que estava rolando nas editoras e nas áreas de protótipos.

 ANARQUIA - Warny / Michael

Tivemos o laçamento do Café Express pela Potato Cat, o Teseu e o Gnomópolis no estande da Conclave, Triora na Meeple BR, Labyrinx na RedBox, a Geeks'n'Orcs sempre cheia com seus joguinhos fáceis e gostosos como o Piratas! e o Melvin vs. Kronk, na Ace o Die die DIE e o Creepers sendo expostos.

No sábado tive a oportunidade de jogar o Anarquia, parceria dos grandes Michael Alves (Anime Saga) e Warny Marçano (Space Cantina) que ainda está engatinhando, mas tem uma premissa legal.

Um jogo com gerenciamento de mão, ação simultâneas e influência de área baseado em um quadrinho que será lançado pela Meeple BR mais tarde e que tem potencial.

 GNOMOPOLIS - Igor / Patrick

No domingo é que eu consegui me "esbaldar" e joguei 4 partidas durante o dia todo, dentre eles três protótipos e um jogo pronto, que foi a versão final do Crop Rotation, do Eduardo Guerra, que está saindo pela Legião Jogos e além da versão revisada do que eu já tinha jogado, agora tem uma variante cooperativa/solo que a gente precisa defender nossa plantação contra as pragas, que é difícil pra caramba, ficou show!

Dos protótipos, o primeiro foi o Mundus : Imperial, um jogo de civilização situado no período do Brasil Império onde precisamos desbravar o país extraindo recursos para expandir nossos domínios e com isso cumprir objetivos.

 MUNDUS : IMPERIAL - José Mendes

O José Mendes fez um ótimo trabalho ao apresentar uma versão reduzida do jogo, que dá todo o feeling de como ele vai funcionar e ainda deixa a gente com vontade de jogar a partida completa. Guardem o nome desse jogo, tem muito potencial.

Depois continuando no Brasil Império fui conhecer o Magnanimous, jogo que tem gerenciamento de mão, pick and delivery, worker placement, influência mas todos os elementos precisam de dinheiro para funcionar, só que o jogo te dá poucas formas de receber essa grana, então você pode já no segundo turno estar totalmente travadodo.

O Caetano Foschini, teve boas ideias, mas o jogo ainda está muito truncado e não roda fluido como poderia precisando ainda de um bom tempo de desenvolvimento para ficar redondo.

MIX TAPES - André / Mac

Por último, pra mim o grande destaque (dentre os que eu joguei), que foi o Soberano, do Lincoln e do Eduardo e que é um deck-building surpreendente.

Nele família brigam por poder influenciando as duas casas que lutam pelo poder, para isso você vai dando pernadas nas famílias adversárias trazendo para si os membros das casas envolvidas até que consiga cinco pontos de prestígio.

As premissas são familiares, a mecânica também, mas a forma como os autores conseguiram costurar tudo num card-game de pouco mais de 70 cartas é que dá o charme ao jogo.

 MAGNANIMOUS - Caetano

Esses foram os que eu consegui jogar, mas vi uns que me chamaram atenção, como o Fury Gods que visualmente foi um dos que chamou atenção, o Seven Galaxies outro visualmente lindo, ainda fechando a Área Catarse o Apex K-Truck Racer, o Primeiro Comando e o vencedor do concurso, o Meeple Up do Sanderson Virgulino, que é um colecionador de prêmios.

Nas áreas das editoras me chamaram atenção o espaço dado pela Ludens Lab para jogos como Abstratus, Pélaghos, As Torres de Arkhanos e Sir Holland, A Fuga da Torre, a galera da Game Vault também estava dando espaço para os autores, e podíamos encontrar por lá o Mix Tapes do Adré Teruya, o Arena - The Contest com suas miniaturas pintadas entre outros.

 SOBERANO - Lincoln / Eduardo

A Ludopedia até tentou dar uma ajuda disponibilizando uma lista do que a gente ia encontrar por lá, mas mesmo tendo impresso essa lista, na hora a coisa mudou de figura, era muito jogo para pouco tempo.

Mas isso não quer dizer que não vamos falar deles por aqui, muitos autores deixaram cópias com a gente, ou contato para jogarmos via Tabletopia e com certeza faremos uma força danada para durante o ano falar cada vez mais dos projetos de autores brasileiros.

E com isso encerramos a nossa cobertura desse que foi, até agora, o maior evento voltado para os jogos analógicos no Brasil, e que com certeza vai a cada edição trazer coisas novas e, como já falei, em pouco tempo será referência até lá fora.

 Sanderson Virgulino, recebendo seu prêmio
pelo MEEPLE UP na Área Catarse.

3 comentários:

Lincoln disse...

Obrigado pelo carinho Cacá! Fico muito feliz de ter gostado do nosso jogo!

Thiago Mello disse...

Cacá, obrigado por lembrar do Pélaghos! :)

Jorge Luís Rocha [Joca] disse...

Novamente, uma ótima cobertura da área de protótipos, Cacá! Muito bom esse destaque que você dá aos protótipos no DOFF! =D